quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

FC PORTO vs ZENIT 0-0




Sorte de cão


A Champions terminou, mas a aventura europeia prossegue. No apuramento de méritos e responsabilidades, sobressai a figura de Malafeev, o guarda-redes russo que manteve o Zenit miraculosamente na prova, reconduzindo o FC Porto para a Liga Europa, numa noite em que um simples golo daria ao campeão português ainda mais do que o apuramento. Daria o primeiro lugar do grupo.Os cinco minutos iniciais, de um equilíbrio aparente apenas sustentado por um ensaio de pressão russa, não forneceram muito mais do que uma mera ilusão que o Zenit não podia cumprir. Com os Dragões a definirem o ritmo e o curso do jogo, a estratégia de Spalletti depressa ficou confinada a um básico plano de contra-ataque incapaz de produzir um remate à baliza em todo o encontro. Nem um para amostra.O jogo, que assumiria progressivamente uma configuração aproximada ao género “sentido único”, pausado apenas pelo coro de assobios gerado a cada vez que a equipa russa preferia os pés de Danny para arriscar a transição, definia-se num único extremo do relvado, onde o guarda-redes Malafeev coleccionava intervenções decisivas; a mais destacada de todas, logo ao sexto minuto, num frente-a-frente com Djalma, isolado por um passe perfeito de João Moutinho.A ameaça de golo, formulad a com insistência, voltou a ganhar forma em três tentativas de Hulk e outra de James, sem que nenhuma delas produzisse o efeito desejado. Todas esbarraram ou acabaram nas luvas de Malafeev, o único capaz de resistir à avalanche portista, que já então justificava o balançar das redes. Nessa altura, já o afortunado imitador de cães se transformara, por livre e espontânea vontade (ou, quem sabe, por instinto), num mero defesa, que recuperava representações caninas na forma frequente com que cheirava a bola e corria atrás dos calcanhares do adversário.Além de Kléber, a vincar a propensão atacante dos Dragões, a segunda parte trouxe mais do mesmo, acrescida de uma versão “massacre”, que encostava os russos às cordas e anunciava o KO, repetidamente adiado pelo intérprete do costume, que levantava incessantemente o Zenit do tapete nos instantes mais inesperados. Com as mãos, com os pés, tombado até para o lado errado, Malafeev segurou a equipa russa, como que presa por arames, e qualificou-a, pela primeira vez, para os oitavos-de-final da Champions.À exibição portista ficou a faltar apenas o golo, que, mais do que a qualificação, lhe dava o primeiro lugar do Grupo G, na conjugação de um resultado que falhou por pouco com a derrota do APOEL fr ente ao Shakhtar. A sorte, ou a falta dela, reencaminhou o campeão português para a UEFA Europa League, competição que venceu há pouco mais de meio ano. Pode não ter sido por acaso…


FICHA DE JOGOUEFA Champions League, Grupo G, 6.ª jornada 6 de Dezembro de 2011


Estádio do Dragão, no Porto


Assistência: 46.512 espectadores


Árbitro: Carlos Velasco Carballo (Espanha)


Árbitros assistentes: Roberto Fernández e Juan Carlos JiménezQuarto árbitro: Eduardo González


Árbitros assistentes adicionais: Fernando Vitienes e Javier Fernandez


FC PORTO: Helton (cap.); Maicon, Rolando, Otamendi e Alvaro; Fernando, Defour e João Moutinho; Djalma, Hulk e James


Substituições: Defour por Kléber (46m), Djalma por Varela (68m) e Otamendi por Belluschi (81m)


Não utilizados: Bracali, Fucile, Mangala e Souza


Treinador: Vítor Pereira


ZENIT: Malafeev; Anyukov (cap.), Hubocan, Lombaerts e Criscito; Denisov, Semak e Shirokov; Fayzulin, Lazovic e Danny


Substituições: Shirokov por Zyryanov (46m), Fayzulin por Bystrov (57m) e Lazovic por Bruno Alves (81m)


Não utilizados: Zhevnov, Bukharov, Rosina e Lukovic


Treinador: Luciano Spalletti


Disciplina: cartão amarelo a Anyukov (28m), Helton (38m), Fayzulin (40m), Otamendi (48m), Hulk (71m), Malafeev (76m)

Sem comentários:

Enviar um comentário